domingo, 3 de março de 2013

Sábado - Paulas, SFS - 02 - 03 - 12


O pedal de sábado quase não saio, muito serviço, compromissos, etc.. Depois de uma bela descansada, liguei para meu amigo Maneca e marcamos de sair as 17:30 do Vera Cruz até SFS visitar os pais dele no Paulas.




A saída da Sta Catarina até o Itinga foi cansativa devido aos morros e ao calçamento, porém de forma alguma queríamos aliviar, estávamos querendo manter um ritmo forte.




A rodovia estava boa de trafegar, havia um movimento considerável, porém nada que nos atrapalhasse.

Resolvemos fazer uma parada no linguado para registrar, pois na volta já estaria escuro  e não conseguiríamos mostrar nda.





Esse trecho do linguado até o Paulas tb foi cansativo, pois o ritmo era forte,
Enquanto caia a noite seguíamos os 4 km finais até a casa dos pais do Maneca.

Fizemos em 1h e 33 min do Veras até o Paulas, foi uma boa marca.
Em nossa parada, tomamos um café e fizemos os registros de nossa passagem pela casa do Seu Manolo.




Após a saída da casa do Seu Manolo voltamos por fora da cidade de SFS, passamos pela rodovia no sentido contrário, pois no sentido SFS-Jlle não tem acostamento.
Vinhamos conversando, rindo e pedalando para pegar o ritmo da volta.

Ao passar pela rotatória da rodoviária (bairro Acarai), só percebi que um carro me atingiria. Nem tive tempo de reação para frear ou tomar qualquer outra ação. Imaginei que o carro bateria em mim e eu cairia, mas foi além. O carro bateu em mim e eu fui arremessado para o capo e depois ao chão. Imagino que devo ter rolado no capo e depois mais algumas roladas no chão. Indescritível a sensação do momento. Apesar de tudo parecer muito rápido para quem esta de fora, o tempo para quem esta vivendo essa desgraça incerta é muito lento, tive vários pensamentos. Claro que um deles era pensar que poderia estar morto, mas logo que me dei conta de estar no chão com o corpo dolorida e ardido pelas escoriações do asfalto percebi que ainda esta vivo. Primeiro fiquei preocupado em saber se meu amigo tinha escapado e se estava bem, depois gostaria que minha esposa tivesse ao meu lado nesse momento difícil.



Ao dar conta do acontecido me preocupei em responder ao Maneca (q estava bem, não havia sofrido nada) que eu estava bem, ao menos consciente e que ficaria deitado aguardando a ambulância para atendimento.
Em contra partida pedi para ele correr atrás de meus pertences que haviam se espalhado na rua e tb ir atrás do responsável pelo acidente.
Fiz alguns testes de movimentar levemente alguns membros para ter certeza que estava com tudo certo, não havia quebrado nada.

Um casal muito simpático parou para nos ajudar, a esposa do rapaz chamou a ambulância e ficou ao meu lado para eu não me movimentar até não chegar o socorro enquanto isso meu fiel e escudeiro amigo ia atrás do motorista que havia me atropelado tomar satisfações.

O resgate chegou em menos de 10 minutos. Me imobilizaram e me levaram ao hospital. Enquanto isso meu melhor amigo de atropelamentos ia pedalando sua bike e levando minha bike mais meus pertences até a casa de Seu Manolo que estava a 4 km do local da ocorrência. O marido da Senhora que estava nos ajudando foi acompanha-lo para depois leva-lo até o hospital que eu estaria.

No hospital de SFS era só mais um quebrado aguardando atendimento. Pensei que fosse demorar, mas depois de umas 3 enfermeiras virem falar comigo apareceu um médico que fez um diagnóstico muito rápido, só pediu se eu sentia alguma dor e se eu poderia levantar e andar. Pronto, só isso bastou para era diagnosticar que eu estava bem e poderia ser liberado após ele passar uma receita para eu tomar nimesulida  Antes de sair perguntei se pelo menos as enfermeiras poderiam limpar meus ferimentos que estavam ardendo muito e estavam tudo sujo de areia e sujeira da marginal onde cai e me esfolei.
 Nesse meio tempo o Maneca tentou falar com ela e como não teve sucesso ligou para o Jefo para o Cassiba ajudarem a procurar ela para dar noticia e para nos ajudar, porém depois da situação estabilizada retornamos para os amigos para avisar que estava tudo certo.

Ao ser liberado do hospital a Senhora que me acompanhou me aguardava na recepção, pois seu marido ainda não havia retornado com meu melhor amigo de atropelamentos.
Não demorou muito, o Maneca aparece assustado querendo saber noticias. Ao me ver do lado de fora e caminhando se assustou que eu não havia levado nenhum ponto e não havia nada com gesso.









Na saída do hospital liguei para minha esposa para vir nos buscar e contar a lamentável história que acabou com final feliz ainda.



Enquanto esperávamos ela para nos resgatar aparece o meliante com cara de coitado e com bafo de bode!
Percebi que dali não sairia muita coisa e fui providenciar o que deveria fazer para registrar a ocorrência.
Acabamos indo parar na delegacia de policia para fazer um B.O.



Como em todo órgão publico fomos muito "bem" atendidos. Mesmo sem ter ngm em nossa frente ficamos mais de 1 hora ali.
Registros feitos agora era só retornar para casa e esperar o dia seguinte para pegar a bike e verificar os prejuízos.


O mais lamentável de um pedal e não poder chegar em casa pedalando. Ainda mais se for por motivo de acidente, mas por sorte, por Deus ou por não sei o que posso agradecer que só foram danos leves, pois pela situação que passei e pelo que me descreveram eu deveria ter me quebrado todo.

No dia seguinte voltamos (de carro, com a companhia do Jefo) até a casa do Seu Manolo para buscar as bicicletas, apetrechos e fazer a verificação material do acidente.


Ainda bem que neste dia já podíamos rir dos fatos, apesar dos ralados e das dores no corpo não havia nada de maior gravidade nem comigo nem com a bike. Na verdade ainda tenho que ter a opinião do meu melhor mecânico Fernando e Nicolas para concluir a questão dos danos materiais.



Resumo do pedal:
tm: 1:58
dst: 51 km
antebraços ralados
perna ralada
muitas dores no corpo

Por sorte só isso. Não pensem que irei desistir. Isso foi só um tombo, agora irei levantar e continuar.

Muito obrigado a minha esposa, ao Maneca, Jefo e Cassiba que se envolveram de alguma forma para me ajudar.

Abs e até o próximo relato que espero terminar de contar com chegada em casa da mesma forma que sai.


18 comentários:

  1. Gostei do uniforme, muito fofo. Tô curioso pelo post.

    ResponderExcluir
  2. Conta logo que tô curioso prá saber!!!! (Também gostei muito da roupinha do Kung Fu Panda).

    ResponderExcluir
  3. Fiquei curioso ai Cabelo, conta ae pra nós :)

    ResponderExcluir
  4. Respostas
    1. O pior de tudo foi o mané que nem parou pra ajudar, pra isso a lei parece não ajudar. Enfim, fico aliviado em saber que está tudo bem contigo, que nada mais grave aconteceu.

      Acredito que nos próximos dias já estará pedalando novamente. Desejo um bom retorno aos pedais.

      Grande abraço!

      Excluir
  5. Realmente, para quem é atropelado, o tempo entre e impacto e o chão leva uma eternidade... Da para pensar em um monte de coisas e também pedir para que a gravidade deixe logo você cair.

    Ainda bem que você não se machucou (ralados não contam).

    ResponderExcluir
  6. Esse foi um pedalzinho de muitas EMOÇÕES! Quando vi aquele corpo estendido pensei o pior, ainda mais assistindo todo o acidente de camarote que nem diz o Cabelo... Cheguei no hospital procurando um cara todo engessado e encontrei o Deivi batendo papo com aquela senhora que lhe acompanhou, lá do lado de fora passeando no pátio.
    Desta vez não chegamos em casa pedalando, mas apesar de tudo, inteiros. Só digo mais uma coisa a seu respeito: Conheço o "Ciclista de Ferro" (a bike também deve ser de ferro!)Nada se quebrou.

    ResponderExcluir
  7. Esqueci, Obrigado à Dona Cabela pelo apoio e carona de volta, também pelo passeio ontem a noite para buscar as bikes em SFS. Para ir até lá foram quase 1:30h e na volta só levamos quase 4 horas na fila da rodovia!!! Esse casalzinho é muito gente boa, obrigado por serem meus Amigos.

    ResponderExcluir
  8. Vou deixar a minha contribuição para o blog. O Maneca me ligando desesperado sábado a noite: "Alô.....Jefo......Cabel......atropel......hospit.....delegacia.....telef.....três.....quat.....dois (cai a ligação)". Foram essas palavras que eu ouvia durante quatro tentativas e montava o quebra-cabeça tentando achar alguma forma de ajudá-los. Minutos depois recebi a ligação, agora sem cortes, que estavam todos bem e a dona Cabela faria o resgate. Agora a gente dá risadas, mas foram momentos de aflição.

    ResponderExcluir
  9. É Cabelo, o susto foi grande, mas obrigada por não desistir, afinal loucos como vcs são poucos, e por ter voltado a casa de meus pais e os tranquilizados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem fala, assim como o Jr ficou preocupado, seus pais tb estavam bastante.

      Excluir
  10. Cabelo ....força na coxinha e melhoras para voltar logo... grande abraço !!!!

    ResponderExcluir
  11. CYNTHIA CASSIA BEHNCKE5 de março de 2013 15:19

    Meninos

    Vocês contribuíram para as minhas gargalhadas diárias.
    Tanto o relato do Ciclista de Ferro,
    quanto os comentários dos pretensos amigos
    foram muito divertidos.

    Claro,
    num primeiro momento fiquei extremamente assustada,
    mas, tudo está bem,
    quando termina bem.

    Abraços e Força na Peruca!!!

    ResponderExcluir